Contato: (67) 98186-1999 - Mande um whats!
Home | Notícias | Fotos | Vídeos | Anúncie | Contato

Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018





Vaquinhas virtuais podem ser fontes de arrecadação em campanhas
Candidatos poderão contratar plataformas independentes


15 de Maio de 2018 - 11:03           principal  |  imprimir - Enviar Materia

 
A partir de hoje, 15, pré-candidatos nas eleições deste ano podem começar a pedir doações por meio de mecanismos de financiamento coletivo, o chamado crowdfunding.

A ferramenta deve ganhar impulso neste ano com a proibição de doações por empresas e ajudar pré-campanhas de partidos que vão contar com fatias magras do recém-criado fundo público de financiamento de campanhas.

Em 2018, a novidade é que os candidatos vão poder contratar plataformas independentes e podem começar a arrecadar antes mesmo do início oficial da campanha.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), quase quatro dezenas de plataformas solicitaram credenciamento junto à Justiça Eleitoral. Até agora, pouco mais de 20 receberam autorização. Entre elas estão startups novatas e braços de sites de crowdfunding que já atuam há anos no país.

Nas eleições de 2016, foram poucos candidatos que decidiram pedir doações pela internet. Não havia possibilidade de terceirizar o serviço e eram várias as dificuldades para habilitar doações por meio de cartão de crédito e débito em plataformas próprias.

No final, as doações foram em geral praticamente irrelevantes no cômputo total da arrecadação daquele ano: menos de 3 milhões de reais em todo o país. O grosso dos recursos acabou ficando concentrado em apenas um candidato: Marcelo Freixo, que disputou a prefeitura do Rio de Janeiro pelo PSOL e arrecadou 1,4 milhão de reais por meio uma plataforma própria de crowdfunding. A campanha de Freixo acabou virando o caso de sucesso desse formato.

Mercado aquecido

Mesmo para candidatos de partidos que garantiram fatias substanciais do fundo de campanhas, o mecanismo de financiamento coletivo pode ser um adicional relevante. O fundo deve distribuir 1,7 bilhão de reais para os partidos políticos, bem abaixo dos 5 bilhões de reais gastos nas eleições de 2014, quando as doações por empresas ainda eram permitidas.

Essa diferença aquece o mercado de plataformas de financiamento. Os pré-candidatos têm até agosto para contratar empresas de crowdfunding.

Regras para doações

Segundo estipulou o TSE, assim como já valia para as doações realizadas nas contas das campanhas, pessoas físicas podem doar no máximo 10% de seus rendimentos brutos do ano anterior para campanhas que utilizarem o financiamento coletivo. Além disso, o eleitor não pode doar por meio dos sites mais de 1.064 reais por dia.

Para efetuar a transação, também é preciso deixar nome completo e CPF. E os sites vão ter que publicar listas com os nomes dos doadores, emitir recibos e informar o candidato e a Justiça Eleitoral sobre cada doação.

Os pré-candidatos que optarem por contratar plataformas terceirizadas já podem divulgar seus mecanismos de arrecadação. No entanto, os valores arrecadados vão ficar retidos até que as candidaturas sejam devidamente registradas no TSE e os candidatos consigam inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) e abram uma conta bancária específica para a campanha.

Isso tudo só deve acontecer a partir de 15 de agosto, quando começa de fato a campanha eleitoral. Só então os pré-candidatos vão poder utilizar o dinheiro. Já as campanhas que optarem por lançar suas próprias plataformas só devem poder começar a arrecadar recursos a partir de agosto.

No entanto, há pré-candidatos já colocando em prática mecanismos de crowdfunding mesmo antes do prazo estipulado pelo TSE. É o caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de Manuela D´ávila, pré-candidata à Presidência pelo PCdoB.

No ano passado, o PT recebeu mais de 100 mil reais pela internet para custear a caravana de Lula por Minas Gerais. Outra campanha, no site do PT, pede doações para custear o acampamento de apoiadores do ex-presidente montado em Curitiba, perto do local onde o petista está preso.

Já o PCdoB vem divulgando a vaquinha "Manu pelo Brasil" com o objetivo de arrecadar 150 mil reais para custear viagens da pré-candidata pelo país. Até agora, segundo o site, cerca de 32 mil reais foram doados.










Plantão

.
21/09/2018 - 21:43   Itaporã participa dos Jogos da Melhor Idade em Jardim
21/09/2018 - 21:39   Itaporã realizou palestra de sensibilização da Campanha Setembro Amarelo
21/09/2018 - 16:46   Idoso está perdido em mata no Pantanal desde sábado
21/09/2018 - 16:40   Fazendeiro é autuado em mais de R$ 300 mil por deixar gado com fome e sede
21/09/2018 - 16:39   União arrecada R$ 109,751 bi em tributos em agosto
21/09/2018 - 16:38   MS tem a segunda maior área plantada com eucalipto do País, diz IBGE
21/09/2018 - 16:35   PMA autua dois infratores por pesca ilegal no rio Pardo e apreende pescado e petrechos ilegais de pesca
21/09/2018 - 16:28   Com clima ameno, Primavera começa na noite deste sábado
21/09/2018 - 16:26   Defesa prevê que até 14 estados podem pedir apoio para as eleições
21/09/2018 - 16:20   IFMS abre inscrições em concurso público para técnicos-administrativos
21/09/2018 - 16:19   MP investiga vazamento de esgoto que matou mais de 5 mil peixes em Dourados
21/09/2018 - 16:13   Presidente da Câmara assume o Executivo após cassação de prefeito
21/09/2018 - 16:08   Goiás recebe a Ponte Preta em busca da liderança da Série B
21/09/2018 - 13:11   Três homens são presos com quase meia tonelada de maconha em Coronel Sapucaia
21/09/2018 - 10:51   Hoje é dia de apagar as velinhas e cantar parabéns para Nayara Araújo
21/09/2018 - 10:15   Com munições e pistola dentro de ônibus, homem acaba preso pela polícia
21/09/2018 - 10:10   Por divergências, júri de Nando é adiado e só comparsa será julgado
21/09/2018 - 10:09   MP convoca órgãos de segurança e orienta contra crimes eleitorais
21/09/2018 - 10:08   Polícia Federal faz operação contra fraude no seguro-desemprego
21/09/2018 - 10:06   Megaevento Paralímpico ocorre amanhã em Dourados e Campo Grande
 
 


















Itapora Agora - Onde a Noticia Acontece

(67) 98186-1999 - Mande um whats!