Contato: (67) 98186-1999 - Mande um whats!
Home | Notícias | Fotos | Vídeos | Anúncie | Contato

Domingo, 24 de Junho de 2018





Terremoto na fronteira Irã-Iraque é o mais mortífero de 2017
Tremor de magnitude 7.3 já deixou mais de 400 mortos e 7 mil feridos


13 de Novembro de 2017 - 16:01           principal  |  imprimir - Enviar Materia

 

Terremoto na fronteira Irã-Iraque é o mais mortífero de 2017

 
 

Com mais de 400 mortos e 7 mil feridos, o terremoto que atingiu no domingo uma região montanhosa na fronteira entre o Irã e o Iraque já é considerado o mais mortífero deste ano.

Uma grande operação de buscas está em curso para resgatar quem possa estar preso sob os escombros deixados pelo tremor de magnitude 7.3.

A maioria das mortes foi registrada na parte oriental do Irã, em Sarpol-e-Zahab, cidade localizada a 15km da fronteira, e em outras partes da Província de Kermanshah.

O principal hospital da cidade ficou seriamente danificado pelo tremor, dificultando ainda mais o tratamento de centenas de feridos, segundo a emissora estatal do país.

O fornecimento de água e energia foi interrompido em algumas cidades e, após alguns edifícios caírem, habitantes dessas localidades foram evacuados e tiveram de passar a noite em parques e nas ruas em meio ao clima frio.

"Precisamos de abrigo", disse um homem em Sarpol-e Zahab à emissora pública iraniana. "Onde está a ajuda? Onde está a ajuda?", repetiu.

Uma agência humanitária informou que 700 mil pessoas precisam de abrigo depois do teremoto.

Centenas de mortos​

Autoridades do Irã informaram que 407 pessoas morreram no país. Entre as vítimas, estava o comandante do Exército iraniano, segundo a emissora estatal IRINN.

No Iraque, nove pessoas morreram, segundo disse um porta-voz da Cruz Vermelha à BBC. O escritório da Organização das Nações Unidas (ONU) no país disse que mais de 500 pessoas ficaram feridas e que o tremor foi sentido nas cidade de Irbil, Sulaimaniya, Kirkuk e Basra, além da capital Bagdá.

 Reuters/Tasnim News AgencyReuters/Tasnim News Agency

Muitas casas dessa região montanhosa, que é predominantemente curda, são feitas com tijolos de lama e vulneráveis a abalos tão intensos quanto o do último domingo.

Deslizamentos de terra tornaram mais difícil o trabalho de equipes de resgate para chegar aos atingidos nas zonas rurais, e há o receio de que uma barragem no Iraque, que foi danificada pelo tremor, se rompa.

O terremoto ocorreu às 21h18 do horário local (16h18 do horário de Brasília) a cerca de 30 km a sudoeste de Halabja, próximo da fronteira nordeste com o Irã.

Mais de um 1,8 milhão de pessoas vivem em um raio de 100 km de distância do epicentro do abalo, de acordo com estimativas da ONU.

O tremor se deu a uma profundidade relativamente pequena, de 23,2 km. Abalos também foram sentidos na Turquia, em Israel e no Kuwait.

Vulnerabilidade

O Irã é uma das regiões do mundo em que terremotos são frequentes. O país já foi atingido por tremores intensos no passado.

Em 2003, um terremoto de magnitude 6.6 destruiu a cidade histórica de Bam, matando 26 mil pessoas.

 BBCBBC

O principal motivo da vulnerabilidade a esse tipo de fenômeno geológico é o encontro entre as placas tectônicas Arábica e Eurasiática.

No sudeste do país, a placa Arábica está entrando debaixo da Eurasiática, enquanto, no noroeste, há um atrito direto entre elas. As montanhas Zagros são um resultado disso.

O tremor de domingo foi o mais mortífero do Irã dos últimos cinco anos, mas é apenas o sexto de magnitude 7.0 ou maior neste ano no mundo - houve 16 desse tipo em 2016 e 19 em 2015.











Plantão

.
23/06/2018 - 14:22   PRF apreendeu 41 armas de fogo na última semana
23/06/2018 - 14:18   Motociclista perde os dentes após colidir moto em carro estacionado
23/06/2018 - 14:16   Hamilton confirma melhor desempenho e crava pole no GP da França
23/06/2018 - 14:14   Douglas Costa sofre lesão muscular na coxa e não enfrenta a Sérvia
23/06/2018 - 14:00   Jovens nascidos em 2000 devem fazer o alistamento militar
23/06/2018 - 13:56   Homem morre em Dourados após acidente na BR-163
23/06/2018 - 09:50   Sistema informatizado propõe auxilio ao produtor rural na gestão de risco
23/06/2018 - 09:45   Acelerador linear do Hospital do Câncer será inauguração em julho
23/06/2018 - 09:44   Jovem de 24 anos comete suicídio na Vila União em Itaporã
23/06/2018 - 09:30   DOF prende casal tentando levar 273 quilos de maconha para a Bahia
23/06/2018 - 09:20   Governo vai investir R$ 33 milhões em ampliação do Hospital Regional
23/06/2018 - 09:10   Ministro Fachin arquiva pedido de liberdade do ex-presidente Lula
23/06/2018 - 09:00   Deputados estão divididos sobre o rumo da aliança do partido em MS
23/06/2018 - 08:54   Famasul e Sejusp firmam parceria para prevenção de incêndios
23/06/2018 - 08:50   Em Mato Grosso do Sul, 17 estão sob proteção por correrem risco de morte
23/06/2018 - 08:40   Obras do Terminal Intermodal de Cargas vão continuar paradas na Capital
23/06/2018 - 08:27   Estado deve quase R$ 1 bilhão em precatórios e chama 1.378 credores
22/06/2018 - 16:20   Deputado Renato Câmara é entrevistado no Programa Espaço Aberto, com Amarildo Ricci
22/06/2018 - 15:51   Senai irá propor à Aneel auxílio em auditorias do Programa de Eficiência Energética
22/06/2018 - 15:45   Obras e serviços na BR-163/MS exigem pare-e-siga da CCR MSVia
 
 


















Itapora Agora - Onde a Noticia Acontece

(67) 98186-1999 - Mande um whats!