Home | Notícias | Fotos | Vídeos | Anúncie | Contato

Sábado, 24 de Junho de 2017





Reforma trabalhista deve ser votada pela CAS na terça-feira
Pelo acordo firmado, os parlamentares terão pelo menos uma hora e meia para se manifestar sobre a matéria antes da votação


17 de Junho de 2017 - 09:56           principal  |  imprimir - Enviar Materia

 
O projeto que pretende modificar a legislação trabalhista brasileira (PLC 38/2017) deve ser votado, na próxima terça-feira (20), na Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

O relator, senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), manteve o texto aprovado pela Câmara dos Deputados e pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), com sugestões à Presidência da República de vetos e aperfeiçoamentos por meio de medida provisória.

Pelo acordo firmado, os parlamentares terão pelo menos uma hora e meia para se manifestar sobre a matéria antes da votação.

Um dia depois da votação na CAS, será a vez de Romero Jucá (PMDB-RR) ler seu relatório na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

A previsão é que a passagem pelas comissões se encerre no dia 28, com a votação na CCJ. A partir daí, o PLC 38/2017 estará pronto para análise no Plenário. A intenção do governo é votá-lo até o início de julho. A oposição quer adiar a votação para o segundo semestre, no retorno das atividades legislativas.

ACORDOS COLETIVOS

O eixo da reforma trabalhista é a prevalência do negociado sobre o legislado, com reforço aos acordos coletivos e novo enfoque nas negociações individuais entre patrão e empregado em vários pontos, como o acúmulo e uso de banco de horas, horas extras, compensação de jornada e horários de descanso para a mulher.

Ricardo Ferraço destaca em seu relatório estudos sobre os malefícios da rigidez na lei trabalhista, que o projeto pretende flexibilizar.

Segundo ele, leis excessivamente duras têm efeitos deletérios no nível de emprego e no crescimento econômico, pois a regulação pesada dessas relações vem, a seu ver, associada a “uma economia informal maior, a uma baixa taxa de participação na força de trabalho e alto desemprego, atingindo especialmente os jovens”.

O senador também frisa que há salvaguardas e limites para a prevalência da negociação sobre a lei no próprio texto do PLC 38, como a manutenção da participação dos sindicatos nesses acertos.

Na opinião dele, o fim da contribuição sindical obrigatória cria um poderoso incentivo para que os sindicatos atendam de fato aos interesses dos trabalhadores, que só vão contribuir para as entidades se estiverem satisfeitos com a representação.  

Além disso, argumenta, o rol de itens que não podem em nenhuma hipótese ser negociados — salário mínimo, 13º salário, remuneração de hora extra, repouso semanal remunerado, férias e garantia de pagamento do adicional de um terço do salário, entre outros — também dá segurança ao empregado.

VETOS

Ricardo Ferraço manteve as recomendações de veto a seis pontos do PLC, como o trabalho insalubre para gestantes e lactantes, o acordo individual para estabelecer a jornada de 12 horas de trabalho por 36 de descanso e a jornada intermitente, apesar de defender a contratação de trabalhadores por esse novo formato.

Ele disse, em entrevista veiculada em suas redes sociais, que a contratação diferenciada para determinados setores da economia, como bares, hotéis e restaurantes, é a ideal. Mas, para valer de verdade, exige regras mais detalhadas que podem ser editadas por uma medida provisória.

"É possível e necessário que você possa contratar pessoas para trabalhar sexta-feira, sábado e domingo e a pessoa possa receber proporcionalmente, com todos os direitos assegurados, carteira de trabalho, formalização e assim por diante", defendeu.

VOTOS EM SEPARADO

Os parlamentares da oposição apresentaram quatro votos em separado, todos pedindo a rejeição completa do PLC 38/2017.

Durante a reunião da CAS, na última terça-feira (13), o senador Paulo Paim (PT-RS) chegou a fazer um apelo para que os senadores busquem um texto de consenso sobre a reforma trabalhista, aprimorando o que veio da Câmara, sem que o Senado abra mão de seu papel de Casa revisora.

"É possível fazer um grande pacto pelo povo brasileiro, é dever do Senado. Não pode vir um projeto que altera a CLT em 117 artigos aqui para a Casa e a gente só carimbar, sabendo que a Câmara cometeu absurdos. Qualquer pessoa séria, ao ler aquele projeto, acha aquilo inaceitável. Vamos pegar os votos em separado, os quatro da oposição e o [texto] do relator, vamos sentar e ver o que é possível construir. É possível construir um grande entendimento, aí o projeto volta para a Câmara e ela ratifica ou não. Isso é bom senso, o razoável, ninguém está dizendo que não é para fazer reforma nenhuma, nós tiraríamos todos os absurdos", disse Paim, em entrevista à Agência Senado nesta sexta-feira (16).










Plantão

.
24/06/2017 - 18:00   Santos de Patricia Sochor encara “sensação” do Brasileiro nas semifinais
24/06/2017 - 17:40   Polícia apreende pasta base de cocaína em compartimento secreto de caminhão
24/06/2017 - 17:29   Motorista preso com 1,5 tonelada de maconha receberia R$ 120 mil
24/06/2017 - 17:20   Campeã regional, Adac/Rádio Clube briga pelo título do Brasileiro Juvenil
24/06/2017 - 17:00   Por 53 cm, atleta do Estado perde medalha no Brasilero Sub-18
24/06/2017 - 16:50   Exaltados por Ceni, analistas do SP enfrentam pressão e excesso de indicações
24/06/2017 - 16:40   Homem preso por estupro de irmãs usava doces para atrair vítimas
24/06/2017 - 16:30   Política de Trump produz menos deportações e mais prisões de imigrantes
24/06/2017 - 16:20   Receita Federal alerta para envio de falsas intimações pelos Correios
24/06/2017 - 16:10   Transporte aéreo cresceu nos últimos seis anos, mas tendência é de reversão
24/06/2017 - 16:00   Lewis Hamilton conquista pole 66 na F1; Felipe Massa é 9º
24/06/2017 - 13:35   Motorista do cantor Cristiano Araújo vai a julgamento em julho
24/06/2017 - 10:50   Três Lagoas recebe feira de imóveis neste final de semana
24/06/2017 - 10:40   Deslizamento de terra deixa 5 mortos e 120 desaparecidos na China
24/06/2017 - 10:35   Vereadoras Lourdes Struziati, Célia Frota e Marlei vistoriam obras da Creche Milton Menani
24/06/2017 - 10:30   Jovem de 27 anos é assassinado com três tiros na cabeça
24/06/2017 - 10:20   Preso homem que pretendia vender droga para comprar casa para a esposa
24/06/2017 - 10:10   Compra de um milhão de tiras reagentes deve amenizar situação de pacientes
24/06/2017 - 10:00   Se dizendo policial, homem invade residência e tenta matar mulher a facadas
24/06/2017 - 09:50   Quina de São João sorteia prêmio de R$ 130 milhões em Campina Grande
 
 


















Itapora Agora - Onde a Noticia Acontece

(67) 8171-8561 - Mande um whats!