Contato: (67) 98186-1999 - Mande um whats!
Home | Notícias | Fotos | Vídeos | Anúncie | Contato

Terça-feira, 23 de Outubro de 2018





Omissão da União sobrecarrega MPF, Justiça e OAB em Corumbá



15 de Maio de 2018 - 15:32           principal  |  imprimir - Enviar Materia

 
A União deve comprovar as medidas já tomadas para a promoção de assistência judiciária gratuita à população de Corumbá (MS), no prazo de 10 dias a partir da primeira intimação. A determinação judicial de 23 de março de 2018, em embargos de declaração, atende ao pedido do Ministério Público Federal em Corumbá. Caso a União não providencie a documentação exigida, haverá a aplicação de multa diária de cinco mil reais. Esta é a segunda determinação judicial para o mesmo processo.

No despacho, o juiz argumenta que, se até 6 de junho de 2018, a União não cumprir a sentença, será aplicada a multa mensal de R$ 500 mil. “Não houve uma única linha escrita pela União a respeito de que algo tenha sido feito para que a sociedade corumbaense tivesse algum apoio jurídico da DPU. Diariamente comparecem pessoas a esta Justiça Federal para que este magistrado analise se o cidadão tem ou não direito à assistência jurídica integral e determine o encaminhamento da questão à OAB local, a fim de que haja nomeação de advogado dativo. E a situação no Ministério Público Federal não é muito diferente”, pontua.

O MPF ajuizou Ação Civil Pública em 2013, requerendo a instalação de uma unidade da Defensoria Pública da União (DPU) no município. A Justiça Federal já havia sentenciado a União, em 6 de junho de 2017, a realizar, no prazo de um ano, estudos nas varas federais da fronteira para identificar a necessidade da instalação de uma unidade da DPU ou quaisquer resoluções que garantissem o direito da assistência judiciária gratuita. No entanto, passados dez meses desde o proferimento da sentença, o governo federal ainda não tomou nenhuma providência. 

Nem sequer foram estabelecidos convênios com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Defensoria Pública Estadual (DPE), ou com os escritórios de prática jurídica das universidades, nem mesmo a vinda de Defensores Públicos da União de outras localidades e lotação efetiva, como também foi estipulado na sentença. 

Entenda o caso - Em 2013, o Ministério Público Federal (MPF) ajuizou Ação Civil Pública com pedido de liminar, requerendo a instalação de ao menos dois defensores públicos federais lotados em outros municípios para atuar na região de Corumbá, além de uma estrutura administrativa e pessoal de apoio, até a devida instalação de uma unidade da DPU.Corumbá é o terceiro município mais populoso de Mato Grosso do Sul, com a estimativa de 109 mil habitantes (IBGE). O município, apesar da alta incidência de crimes federais – ocasionados especialmente pela fronteira com a Bolívia – não conta com assistência judiciária federal integral e gratuita aos cidadãos de baixa renda. 

Com a falta de defensores públicos na cidade, a assistência jurídica ao cidadão carente tem sido realizada pelo próprio Poder Judiciário, que nomeia advogados dativos. “A atuação da União não demonstra disposição em resolver o problema, não se preocupando com o fato de que está, inconstitucionalmente, a sobrecarregar (financeira e pessoalmente) o Poder Judiciário e o Ministério Público Federal. E a questão acaba sendo injusta também com a própria OAB local, que embora se predisponha a atuar na defensoria dativa da população, tem de esperar moroso procedimento de pagamento judicial, quando o correto seria, ante a ausência da União e de sua Defensoria Pública, estabelecer convênio e pagar diretamente aos senhores advogados”, conclui o juiz.










Plantão

.
23/10/2018 - 10:20   Jogos Escolares de Sete Quedas iniciam nesta quarta no Chinelão
23/10/2018 - 10:10   Um terço do lixo tem destinação inadequada na América Latina e Caribe
23/10/2018 - 10:00   Definidos os campeões da 4ª etapa do estadual de Beach Tennis
23/10/2018 - 09:50   1º Feirão Digital movimenta centro de Dourados com a venda de kits para TV digital
23/10/2018 - 09:50   Rede de Controle de MS inicia elaboração de ranking estadual dos portais da transparência
23/10/2018 - 09:30   Empresário Amarildo Miranda Melo é reconduzido à presidência do Sinduscon
23/10/2018 - 09:20   Assessoria Sindical da Fiems orienta contadores de Dourados sobre eSocial
23/10/2018 - 09:10   Bolsonaro e Haddad expõem o estilo pessoal nesta reta final
23/10/2018 - 09:00   Setembro tem a maior criação de emprego formal para o mês desde 2013
23/10/2018 - 08:59   MS tem mais de 300 casos de intoxicação por agrotóxico
23/10/2018 - 08:50   Mulher é atacada enquanto saía pra trabalhar e suspeita de homofobia
23/10/2018 - 08:40   Jovem fica com rosto desfigurado depois de ser atacado com pedradas por morador de rua
23/10/2018 - 08:30   A Fazenda: Rafael Ilha, Nadja Pessoa e Chulapa esta na Roça
23/10/2018 - 08:20   Apoio a Haddad reúne 69 torcidas organizadas e líderes religiosos
23/10/2018 - 08:10   Policiais incineram acampamento e cinco hectares de maconha
23/10/2018 - 08:00   UFGD inscreve estagiários para Centro de Seleção e Projeto Ciranda
23/10/2018 - 07:55   E na data de hoje completando 15 aninhos Sabrina Aguiar
23/10/2018 - 07:50   STF julga inconstitucional lei de MS sobre uso de crédito de celular
23/10/2018 - 07:41   MS termina setembro com mais demissões; mas ano é positivo com criação de mais de 5 mil postos
23/10/2018 - 06:00   Polícia recupera em MS carreta furtada no Paraná
 
 


















Itapora Agora - Onde a Noticia Acontece

(67) 98186-1999 - Mande um whats!