Home | Notícias | Fotos | Vídeos | Anúncie | Contato

Quinta-feira, 19 de Outubro de 2017





Manter um governo ´morto´ seria negar história do partido, diz deputado do PSDB



17 de Junho de 2017 - 09:42           principal  |  imprimir - Enviar Materia

 

Manter um governo ´morto´ seria negar história do partido, diz deputado do PSDB

 
 
Um dos líderes dos "cabeças pretas" do PSDB, o deputado federal Daniel Coelho (PE), 38, afirma que, embora não seja definitiva, a decisão de manter o apoio a um governo "morto" contraria a história do partido e o afasta dos anseios da sociedade.

Pergunta - Como o sr. e o grupo mais afinado ao sr. encaram a decisão do partido de manter o apoio a Temer?

Daniel Coelho - A condução feita por Tasso [Jereissati, presidente do partido] e [Ricardo] Tripoli [líder da bancada na Câmara] tem sido correta e adequada, eles têm ouvido a todos, a gente não nega que tenha havido uma maioria. Ou seja, não foi uma decisão arbitrária. Mas foi uma decisão equivocada, para o país e para o PSDB. E que dificilmente convencerá as pessoas de que há diferença na conduta do PSDB para a conduta do PT, do PMDB. É uma decisão que vai de encontro aos princípios que fundaram o partido. Quando Mário Covas e Franco Montoro fundaram o PSDB, era num momento de desmoralização do governo Sarney e do PMDB. E a frase que simbolizou a criação do PSDB era "longe das benesses e próximo ao pulsar das ruas". Essa tese inicial de conexão com a sociedade fica enfraquecida com essa decisão de ficar em um governo que já está morto.

Quem são os responsáveis por essa decisão equivocada?

Não acho que é o caso de apontar os responsáveis. A decisão é coletiva.
Mas é fato que o grupo de Alckmin e Aécio foram determinantes.
Se quiser simplificar, pode dizer que a maioria deles opinou por isso, mas não houve totalidade.

Qual é, na sua visão, a consequência dessa decisão para o partido?

A decisão não é permanente, o jogo está sendo jogado. Alonga a crise e faz com que o Brasil deixe de avançar. O PSDB está perdendo uma grande oportunidade nesse momento de mostrar na prática o que é um novo modelo de política que pede o mundo, não só o Brasil. O mundo está pedindo não mais alianças da política, mas alianças com a sociedade.

Deputados planejam deixar o partido?

No momento, ninguém está falando em deixar o partido. Até porque está havendo tolerância interna. Tasso e Tripoli acham que os dois grupos não têm unanimidade e estão abrindo o debate, não estão fazendo uma condução parcial ou manipulando decisões.

O PSDB decidiu manter o apoio a Temer para não perder o apoio eleitoral do PMDB e para salvar Aécio?

Não acho correta essa avaliação, porque acho que os assuntos do Senado têm outra lógica. Se a decisão foi tomada por alguma perspectiva de aliança para 2018, é um erro estratégico. Do ponto de vista eleitoral, é uma aliança com a política e um divórcio com a sociedade.

Qual a sua opinião sobre as acusações contra Aécio?


As acusações são sérias, ele precisa ter o direito de defesa e precisa se defender. É evidente que ninguém ficou feliz com um líder importante do partido sendo acusado dessa forma. Eu fiz campanha pra ele, militei junto com ele, e espero que ele consiga esclarecer os fatos.

Como sr. votará na provável denúncia contra Temer?


Havendo uma denúncia e um pedido de investigação, votarei para que haja investigação. Se ele for inocente que ele prove. Arquivar sem esclarecimentos dos fatos seria uma medida seletiva, que é o que mais critico na oposição.


Mesmo que haja orientação contrária do partido?


Não acredito que vá haver orientação contrária. Isso seria a negação da própria história do PSDB.










Plantão

.
18/10/2017 - 14:26   Polícia investiga se dentista e empresário falsificaram atestados para encobrir crimes
18/10/2017 - 14:22   Cena da morte de Irene em ´A força do Querer´ bomba nas redes sociais
18/10/2017 - 14:19   Delegado diz que carta deixada por pai que matou filha não tem relação com o crime
18/10/2017 - 14:16   Campanha de doação de brinquedos "Compartilhe o Natal" é lançada amanhã
18/10/2017 - 14:15   Presos deverão pagar pela própria tornozeleira eletrônica
18/10/2017 - 14:13   Brasil conquista quatro ouros em olimpíada de astronomia e astronáutica
18/10/2017 - 14:12   PSB destitui líder pró-Temer e oposicionista assume bancada
18/10/2017 - 09:27   Ninguém acerta as seis dezenas e prêmio da Mega-Sena vai a R$ 4 milhões
18/10/2017 - 08:20   Pela 2ª vez no ano, governo autoriza reajuste nas tarifas postais dos Correios
18/10/2017 - 08:00   Pais tentam mobilizar cidade no interior por cirurgia de bebê
18/10/2017 - 08:00   Robozão da Gazin foi a atração principal nesta terça-feira em Itaporã
18/10/2017 - 07:30   Famílias de vítimas de voo da Chapecoense querem barrar estreia de documentário
18/10/2017 - 07:29   Nova diretoria do Simted de Itaporã toma posse no dia 28 de outubro
18/10/2017 - 07:28   Confusão por R$ 50 termina com homem esfaqueado em residência
18/10/2017 - 07:27   Grupo francês pode ter encontrado causa anatômica para a dislexia
18/10/2017 - 07:20   Falta de fiscalização aumenta risco de acidente nas estaduais
18/10/2017 - 07:19   Jovem sobrevive após levar pauladas, tiros, e ser enterrado com vida
18/10/2017 - 07:16   MS terá orçamento de R$ 14,4 bilhões em 2018
18/10/2017 - 07:15   Quarta-feira tem calor de 38ºC e pode chover à tarde em MS
18/10/2017 - 07:02   Odilon e Nelsinho seriam hoje os senadores eleitos por MS
 
 


















Itapora Agora - Onde a Noticia Acontece

(67) 8171-8561 - Mande um whats!