Contato: (67) 98186-1999 - Mande um whats!
Home | Notícias | Fotos | Vídeos | Anúncie | Contato

Sábado, 26 de Maio de 2018





Governo espera aprovar reforma da Previdência até agosto, diz secretário
A perspectiva do Executivo é manter o plano da reforma tal qual foi aprovada na comissão especial, sem alterações e também na perspectiva de aprovação até agosto deste ano


17 de Junho de 2017 - 09:57           principal  |  imprimir - Enviar Materia

 

Para o secretário Marcelo Caetano, quem define a velocidade e o conteúdo da reforma da Previdência é o Congresso - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 
 
O secretário da Previdência Social do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, disse hoje (16), no Recife, que o governo espera aprovar a reforma da Previdência até agosto, e no formato em que foi aprovada na comissão especial criada para tratar do tema na Câmara dos Deputados.

"Quem define a velocidade de tramitação e o conteúdo dessa matéria é o Congresso Nacional. O Congresso tem total autonomia. A perspectiva do Executivo é manter o plano da reforma tal qual foi aprovada na comissão especial, sem alterações e também na perspectiva de aprovação até agosto deste ano", afirmou. "O governo está confiante", acrescentou.

Caetano falou à imprensa depois de debate promovido pelo jornal Diário de Pernambuco sobre a reforma da Previdência. As declarações foram dadas em resposta ao questionamento da existência de clima político para aprovação da proposta, depois da delação dos empresários da JBS.

Há ainda um recesso parlamentar de 18 a 31 de julho, mas o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ontem (15) que, caso a Procuradoria-Geral da República (PGR) decida denunciar Temer por causa da delação da JBS, a Casa pode suspender o período de descanso para dar prioridade ao pedido. O Supremo Tribunal Federal (STF) só pode investigar o presidente caso a Câmara vote nesse sentido.

O debate contou ainda com o secretário especial do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Arnaldo Barbosa de Lima Junior, e o economista e professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), André Magalhães, que defenderam a reforma, além do auditor da Receita Federal e professor de direito previdenciário Hugo Góes, que criticou o modelo proposto pelo governo federal.

A principal defesa dos representantes do governo é de que a reforma é necessária e urgente diante da diferença negativa entre o que é pago como contribuição à Previdência e o que ela paga de volta aos brasileiros.

De acordo com o secretário Marcelo Caetano, em 2016 o chamado “rombo do INSS” chegou a R$ 150 bilhões. Por isso, segundo ele, seria preciso fazer as mudanças para garantir a possibilidade de existência do sistema a médio e longo prazo.

Para o professor Hugo Góes, o sistema de seguridade social inclui outras formas de financiamento além da constribuição previdenciária, como a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e a Contribuição sobre o Lucro Líquido (CLL), e, por isso, ele é superavitário, ou seja, há dinheiro para pagar todas as despesas das aposentadorias e demais benefícios.

Conforme Góes, o problema é que o governo federal realiza o cálculo levando em conta apenas a receita da Previdência, ao contrário do que determina a Constituição Federal.

Segundo ele, mesmo se o cálculo for feito do jeito apresentado pela União, o déficit poderia ser revertido com duas medidas: o fim de renúncias fiscais ligadas ao desconto no pagamento da contribuição do empregador à Previdência e a saída da aposentadoria rural do regime geral.

Marcelo Caetano respondeu que as duas questões constam da proposta de emenda à Constituição (PEC) 287/2016.

O secretário informou que a contribuição rural do que está sendo exportado está sendo revista [uma modalidade de isenção]. Acrescentou que novas renúncias não podem ser criadas por meio de emenda constitucional, mas por desoneração de folha, iniciativas mais abrangentes apresentadas este ano".










Plantão

.
25/05/2018 - 14:43   Em reunião inédita, governador ouve demandas de cada um dos segmentos industriais do Estado
25/05/2018 - 12:35   Governo usará Exército para desobstruir rodovias, diz fonte
25/05/2018 - 10:47   Ação entre amigos visa ajudar família de bebê doente em Itaporã
25/05/2018 - 09:59   Greve dos caminhoneiros suspende visita de Geraldo Alckmin ao MS
25/05/2018 - 09:55   Traficante abandona veículo com maconha e acaba preso após ação conjunta
25/05/2018 - 09:21   Câmara de Itaporã apoia a mobilização dos Caminhoneiros
25/05/2018 - 09:12   Comércio fecha as portas mais cedo em apoio à greve dos caminhoneiros
25/05/2018 - 09:03   Em áudio vazado, ministros do STF classificam greve de caminhoneiros como ´absurdo´
25/05/2018 - 09:01   Reformulado e sem risadinha: CBF lança Canarinho Pistola de pelúcia por R$ 99
25/05/2018 - 08:59   Com quatro deputados, futuro do DEM na sucessão é incógnita
25/05/2018 - 08:58   EUA pedem para quem viajar ao Brasil estocar água e itens domésticos
25/05/2018 - 08:55   Em Mato Grosso do Sul, cerca de 100% das indústrias devem parar
25/05/2018 - 08:53   Com 471 empresas no programa, governo espera arrecadar R$ 500 milhões em três anos
25/05/2018 - 08:52   Maia admite que perda na arrecadação com PIS/Pasep será de R$ 9 bilhões
25/05/2018 - 08:48   Caminhoneiros mantêm 37 pontos de bloqueio nas rodovias do MS, diz PRF
25/05/2018 - 08:46   Esfaqueado nas costas durante briga pode perder movimentos
25/05/2018 - 08:45   Paralisações de caminhoneiros afetam rotina em todo o Estado
25/05/2018 - 08:44   ANP flexibiliza regras para garantir combustível durante paralisação
25/05/2018 - 08:43   Conheça 5 plataformas que ajudam o eleitor conhecer melhor os políticos
25/05/2018 - 08:41   Eleição presidencial será teste para sistema político, dizem especialistas
 
 


















Itapora Agora - Onde a Noticia Acontece

(67) 98186-1999 - Mande um whats!