Home | Notícias | Fotos | Vídeos | Anúncie | Contato

Sábado, 24 de Junho de 2017





Governo espera aprovar reforma da Previdência até agosto, diz secretário
A perspectiva do Executivo é manter o plano da reforma tal qual foi aprovada na comissão especial, sem alterações e também na perspectiva de aprovação até agosto deste ano


17 de Junho de 2017 - 09:57           principal  |  imprimir - Enviar Materia

 

Para o secretário Marcelo Caetano, quem define a velocidade e o conteúdo da reforma da Previdência é o Congresso - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 
 
O secretário da Previdência Social do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, disse hoje (16), no Recife, que o governo espera aprovar a reforma da Previdência até agosto, e no formato em que foi aprovada na comissão especial criada para tratar do tema na Câmara dos Deputados.

"Quem define a velocidade de tramitação e o conteúdo dessa matéria é o Congresso Nacional. O Congresso tem total autonomia. A perspectiva do Executivo é manter o plano da reforma tal qual foi aprovada na comissão especial, sem alterações e também na perspectiva de aprovação até agosto deste ano", afirmou. "O governo está confiante", acrescentou.

Caetano falou à imprensa depois de debate promovido pelo jornal Diário de Pernambuco sobre a reforma da Previdência. As declarações foram dadas em resposta ao questionamento da existência de clima político para aprovação da proposta, depois da delação dos empresários da JBS.

Há ainda um recesso parlamentar de 18 a 31 de julho, mas o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ontem (15) que, caso a Procuradoria-Geral da República (PGR) decida denunciar Temer por causa da delação da JBS, a Casa pode suspender o período de descanso para dar prioridade ao pedido. O Supremo Tribunal Federal (STF) só pode investigar o presidente caso a Câmara vote nesse sentido.

O debate contou ainda com o secretário especial do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Arnaldo Barbosa de Lima Junior, e o economista e professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), André Magalhães, que defenderam a reforma, além do auditor da Receita Federal e professor de direito previdenciário Hugo Góes, que criticou o modelo proposto pelo governo federal.

A principal defesa dos representantes do governo é de que a reforma é necessária e urgente diante da diferença negativa entre o que é pago como contribuição à Previdência e o que ela paga de volta aos brasileiros.

De acordo com o secretário Marcelo Caetano, em 2016 o chamado “rombo do INSS” chegou a R$ 150 bilhões. Por isso, segundo ele, seria preciso fazer as mudanças para garantir a possibilidade de existência do sistema a médio e longo prazo.

Para o professor Hugo Góes, o sistema de seguridade social inclui outras formas de financiamento além da constribuição previdenciária, como a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e a Contribuição sobre o Lucro Líquido (CLL), e, por isso, ele é superavitário, ou seja, há dinheiro para pagar todas as despesas das aposentadorias e demais benefícios.

Conforme Góes, o problema é que o governo federal realiza o cálculo levando em conta apenas a receita da Previdência, ao contrário do que determina a Constituição Federal.

Segundo ele, mesmo se o cálculo for feito do jeito apresentado pela União, o déficit poderia ser revertido com duas medidas: o fim de renúncias fiscais ligadas ao desconto no pagamento da contribuição do empregador à Previdência e a saída da aposentadoria rural do regime geral.

Marcelo Caetano respondeu que as duas questões constam da proposta de emenda à Constituição (PEC) 287/2016.

O secretário informou que a contribuição rural do que está sendo exportado está sendo revista [uma modalidade de isenção]. Acrescentou que novas renúncias não podem ser criadas por meio de emenda constitucional, mas por desoneração de folha, iniciativas mais abrangentes apresentadas este ano".










Plantão

.
24/06/2017 - 18:00   Santos de Patricia Sochor encara “sensação” do Brasileiro nas semifinais
24/06/2017 - 17:40   Polícia apreende pasta base de cocaína em compartimento secreto de caminhão
24/06/2017 - 17:29   Motorista preso com 1,5 tonelada de maconha receberia R$ 120 mil
24/06/2017 - 17:20   Campeã regional, Adac/Rádio Clube briga pelo título do Brasileiro Juvenil
24/06/2017 - 17:00   Por 53 cm, atleta do Estado perde medalha no Brasilero Sub-18
24/06/2017 - 16:50   Exaltados por Ceni, analistas do SP enfrentam pressão e excesso de indicações
24/06/2017 - 16:40   Homem preso por estupro de irmãs usava doces para atrair vítimas
24/06/2017 - 16:30   Política de Trump produz menos deportações e mais prisões de imigrantes
24/06/2017 - 16:20   Receita Federal alerta para envio de falsas intimações pelos Correios
24/06/2017 - 16:10   Transporte aéreo cresceu nos últimos seis anos, mas tendência é de reversão
24/06/2017 - 16:00   Lewis Hamilton conquista pole 66 na F1; Felipe Massa é 9º
24/06/2017 - 13:35   Motorista do cantor Cristiano Araújo vai a julgamento em julho
24/06/2017 - 10:50   Três Lagoas recebe feira de imóveis neste final de semana
24/06/2017 - 10:40   Deslizamento de terra deixa 5 mortos e 120 desaparecidos na China
24/06/2017 - 10:35   Vereadoras Lourdes Struziati, Célia Frota e Marlei vistoriam obras da Creche Milton Menani
24/06/2017 - 10:30   Jovem de 27 anos é assassinado com três tiros na cabeça
24/06/2017 - 10:20   Preso homem que pretendia vender droga para comprar casa para a esposa
24/06/2017 - 10:10   Compra de um milhão de tiras reagentes deve amenizar situação de pacientes
24/06/2017 - 10:00   Se dizendo policial, homem invade residência e tenta matar mulher a facadas
24/06/2017 - 09:50   Quina de São João sorteia prêmio de R$ 130 milhões em Campina Grande
 
 


















Itapora Agora - Onde a Noticia Acontece

(67) 8171-8561 - Mande um whats!